quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Galado, coração, ah!

Sinceramente e definitivamente, esse tal de coração não devia endoidar tanto nossas mentes, ô bicho danado para dar trabalho! Quando erámos crianças, conhecemos aquele desneho bonitinho, vermelho, um sonho.Agora o que muitos querem é pega-ló, colocar na churrasqueira, com bastante sal e ao ponto e comer, acabando com todos os problemas e dores.
Acontece que ele é complexo, concreto e abstrato. Existe uma multidão só de olho para roubar um na primeira oportunidade. é responsável por fazer todo aquelee líquido vermelhinho perambular pelo, e nos manter vivos. Palavra-chave para os românticos poetas apaixonados, ou até para os que nem sequer enconstaram num dicionário na vida.
Existem vários adjetivos para definir um coração: burro, contraditório, indeciso, vazio, frio, cheio de amor, machucado, solitário, estúpido, carente, medroso, solitário, partido, mutante, persistente, porém isso são apenas rótulos ou estereótipos.
Não gosto, e gosto de ti, órgão que bate depressa em meu peito. Apimenta, adoça e amarga, minhas paixões e sentimentos, a maior verdade sobre você, é que não aguenta fortes emoções nem surpresas, boas ou ruins, sempre mostra-me o quão és frágil, e contém prazo de validade indeterminado. No caso da sua inexistência, os sentimentos iriam partir, ou seriam adormecidos. Amo você, coração, você dá um toque de adrenalina por aí a fora... só lhe peço um favor se puder, toma cuidado com o que fazes. Ah, coração "galado".

2 comentários:

ciro farias disse...

o coração nada mais é que a forma de expressar o que o encéfalo não consegue.

Lana disse...

eu lembro quando voce começou a escrever esse texto um tempo atras na la sala!